Feeds:
Artigos
Comentários

Archive for 12 de Maio, 2007

santillana11.jpg

autores.jpg

 santillana-3.jpg

Sou um dos autores do livro de Geografia para o 10º ano da editora Santillana. Podem seguir o Link para ficarem com uma ideia do livro.

PTG

Anúncios

Read Full Post »

cicloagua.jpg

O Instituto da Água (INAG) tem um sítio na internet com muita informação sobre recursos hídricos para toda uma gama muito variada de conhecimentos, desde o investigador até ao aluno mais jovem. Por isso, é sempre uma boa ideia fazer uma visita a este site com muita informação sobre recursos hídricos, sobretudo para o caso português.

Dos vários documentos interessantes que lá se podem encontrar, escolhi um sobre recursos hídricos que me parce muito didáctico e acessível, sobretudo para os alunos do 9º ano. Não se esqueçam que os recursos hídricos vão ser tema do próximo teste. Este documento PDF tem o título “A água a Terra e o Homem : Ciclo da água“.

Qualquer dúvida já sabem como fazer…

PTG

Read Full Post »

iberialow1.jpg

Esta é uma imagem do Instituto de Meteorologia espanhol. Vê-se claramente uma depressão barométrica no interior da península Ibérica. É uma imagem ao final da tarde (18.00 horas) do dia 17 de Junho. Na época mais quente do ano estas depressões são muito comuns na Península Ibérica. O grande calor acumulado durante o dia vai sobreaquecer o continente que, por sua vez, vai aquecer o ar que está por cima.

Quando as condições atmosféricas são favoráveis este aquecimento gera uma depressão que está na origem de muitas chuvas fortes e trovoadas típicas de verão.  Era este o estado do tempo no interior da península. Em Portugal a chuva e a trovoada ocorriam no interior de Trás-os-Montes e Alentejo e Algarve interior. Na costa ocidental e no Barlavento algarvio o céu estva praticamente limpo. A proximidade do mar é fundamental para explicar a quase ausência de nebulosidade nas regiões costeiras de Portugal. O ar oceãnico refresca o ar fazendo com que não haja condições tão favoráveis à ascendência térmica do ar.

O vento na costa ocidental de Portugal era de Norte, enquanto na costa oriental da península Ibérica era de Sul. Os ventos obedecem á lógica da circulação nas depressões barométricas, ou seja, no sentido contrário ao dos ponteiros do relógio. Em situações como esta retratada na imagem é algo desconfortável estar nas paraias da costa ocidental de Portugal em virtude da forte Nortada que se regista a partir da tarde, altura em que a depressão está mais activa.

PTG

Read Full Post »

low.jpg

A imagem de staélite mostra duas depressões muito cavadas a oeste e a noroeste de Portugal continental. A depressão a oeste deslocava-se em direcção a Portugal e acabou por dar origem a ventos e chuvas muito fortes. A espiral está muito bem marcada e a direcção do vento no sentido contrário ao dos ponteiros do relõgio fazia com que a direcção do vento em Portugal fosse de Sudoeste.

PTG

Read Full Post »