Feeds:
Artigos
Comentários

Archive for Outubro, 2009

Cascatas

 

 

Foto: Gonçalo Adrião

Esta foto foi tirada em Gullfoss na Islândia. As cascatas resultam da água vinda dos glaciares do interior do país. É uma paisagem natural, pois não apresenta qualquer intervenção do homem. Como elementos naturais podemos observar o relevo, vegetação rasteira e as cascatas.
Gonçalo Adrião, nº 16 do 7º G.

Anúncios

Read Full Post »

Fonte: Naval Research Laboratory Monterey (20/10/2009)

Esta imagem de satélite, com as isóbaras sobrepostas, ilustra o regresso da chuva a Portugal. Portugal está sob a influência de uma depressão, cujo centro se encontra situado a Noroeste da Península Ibérica, e à qual está associada uma frente fria muito extensa e muito activa. Neste momento (às 6.00 horas), a frente fria está a atravessar o território de Portugal Continental e a provocar forte queda de chuva de Norte a Sul.

De notar, também, a presença de um anticiclone a Oés-sudoeste da Península Ibérica, cujo núcleo está isolado pela isóbara de 1020 hPa, do qual se afastam os grandes sistemas nebulosos. Repare-se como as nuvens mais densas contornam os limites exteriores deste anticiclone.

Read Full Post »

 

Fonte: Eumetsat

As trovoadas de verão seguidas de fortes quedas de chuva, são um aspecto particular e de grande frequência de ocorrência no interior da Península Ibérica. Esta extraordinária imagem de satélite ilustra precisamente uma destas situações. São visíveis sobre o Interior Sudeste da Península umas formações nebulosas muito típicas de chuva intensa com possibilidade de trovoada. Essas núvens designam-se por cúmulo-nimbos e são núvens de grande desenvolvimento vertical, mas de extensão relativamente reduzida. São responsáveis por quedas de chuva muito concentradas no tempo e no espaço, ou seja, são chuvas muito localizadas e em curtos espaço de tempo. No entanto, estas chuvas podem ser devastadoras, devido à sua forte intensidade.

A formação deste tipo de núvem e nesta altura do ano (Verão) está associada a condições de grande aquecimento do substrato continental (que aquece as massas de ar que por ele circulam) a que se liga, normalmente, uma invasão de ar frio em altitude, vindo de latitudes mais elevadas. Esta conjugação de factores é geradora de grande instabilidade do ar e, consequentemente, de forte chuva.

Read Full Post »

Fonte: Robb Kendrick – National Geographic

Mais um exemplo de agricultura irrigada, desta feita no Qatar. É, portanto, agricultura irrigada em pleno deserto o que provoca um contraste ainda maior, pois a envolvente aos círculos verdejantes é bastante mais seca do que no caso anteriormente mostrado da região de Alcochete. Aqui os campos irrigados de forma circular têm, também, uma maior dimensão, o que atesta a extraordinária dimensão dos sistemas de rega. A dimensão e a perfeição destes círculos irrigados faz-nos pensar em obra de extraterrestres.

Nestes campos plantam-se frutos e vegetais. No entanto, apesar do tamanho destes campos, o Qatar não é autosuficiente, pois a maior parte dos produtos alimentares são importados. Todos os eforços do Governo para o desenvolvimento agrícola esbarram em fortes condicionantes climáticas: a falta de chuva e consequentemente a grande escassez de água doce.

Read Full Post »

Campos Abertos

~

Fonte: http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Moforlogiaagr%C3%A1ria.jpg

Esta foto ilustra bem a morfologia agrária em campos abertos, tirada na região de Valladolid (Espanha). A forma dos campos é regular, apesar de haver campos de tamanho diferente. Contudo, é clara a predominância da forma rectangular.

Trata-se de uma agricultura mecanizada, em sistema de monocultura, portanto, uma agricultura moderna direccionada para o mercado.

Read Full Post »

Imagem Google Earth

 

A Leste de Alcochete podemos encontrar estes campos agrícolas típicos de uma agricultura irrigada. Os sistemas de rega são geradores destes padrões circulares. O facto de os círculos serem mais verdes atesta o efeito da rega. A par destes campos circulares podemos observar ainda alguns campos abertos e área florestal.

É , pois, uma figura que representa uma agricultura moderna, intensiva com recurso a sistemas de rega. A rega é fundamental nas regiões de clima mediterrâneo como o nosso (em Portugal), pois a estação mais quente do ano coincide com a altura de menor precipitação. Assim, a conjugação do calor com falta de chuva provoca grande stress hídrico em algumas culturas (como as do milho forrageiro). Logo, só com sistemas de rega se torna possível a existência de algumas culturas no clima mediterrâneo.

Read Full Post »